Trabu é Bra

Não sei qual foi o pior grande investimento da história do Bradesco, mas me arrisco a dizer que o patrocínio às Olimpíadas está disputando a medalha de lata, com grandes chances de descer do pódio bancário aos cachações.

Apostando na aparente pujança do Brasil pré-marolinha, ocasião da assinatura com o comitê brasileiro, escolheu o Bra estampado nos uniformes e quimonos para imediata identificação com o país sede, hoje quebrado, aguardando na lona a contagem do tempo para ficar de pé, zonzo e cambaleante.

Outra iniciativa concorrente ao couro olímpico foi a apelação ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, órgão subordinado ao Ministério da Fazenda. O resultado demonstrou o fracasso total da defesa, 6 a 0 pros caras, espécie de 7 a 1 sem direito a gol de honra. O fato é que pior que os 3 bi de multa imposta à instituição bancária está sendo a exposição do banco após o presidente Trabuco ter caído na malha fina da Operação Zelotes.

Cabe recordar que o CEO do BRA, Trabu para a PF, foi convidado por Dilma para ser o ministro da fazenda do segundo governo, o do pretenso ajuste fiscal. Impossibilitado pelos assuntos do banco, indicou o seu então diretor para cumprir o martírio. Boicotado pela economista-chefe do governo, ignorado na questão das contas públicas, Levy pediu as contas publicamente.

Não bastasse o preferido declarado de Lula, Meirelles, ter subido ao posto máximo na Fazenda de Temer, o predileto de Dilma acaba de ser indiciado pela Polícia Federal.

Depois do trágico acidente aéreo que, em novembro passado, ceifou precocemente as vidas dos responsáveis pelos ramos de seguros, vida e previdência, agora o presidente oferece o próprio destino à vitoriosa campanha publicitária cujo mote é o imprevisto sempre à espreita, representado pelo bordão “vai que...”.

Curioso é que, a exemplo dos turistas americanos, muitos com medo da zika, das manifestações anti-golpe e da violência, Levy deve assistir às olimpíadas pela televisão, sentado em sua cadeira de diretor do Banco Mundial, em Washington. Vai que...

Please reload