O voto útil

Se o castigo vem a cavalo, a partir de hoje, 27 de setembro, dia de Cosme e Damião, por sinal os santos padroeiros da polícia montada, eleitores não podem ser presos ou detidos, salvo em flagrante ou para cumprimento de sentença criminal. A regra está prevista no código eleitoral, e serve para garantir a liberdade do voto.

Entretanto, como o castigo tem sido federal e costuma vir de van, com livre acesso às pistas dos aeroportos, a reação teve de ser acelerada. Mesmo assim, por desconhecimento da legislação, pouca gente interessada se deu conta.

Isso porque tudo leva a crer que o ministro da justiça deu uma clara chance de fuga aos envolvidos da Lava-jato, ao anunciar a continuidade das operações nesta semana, na verdade de um único dia útil em se tratando de prisões. Os medalhões comeram mosca.

Propositalmente ou não, o titular da pasta responsável pela PF cravou a madrugada de segunda-feira para a deflagração da 35ª etapa da operação que, desde a primeiríssima fase, inaugurada com o seu querido Paulinho, vem provocando enorme estrago entre os amigos de Lula, de Delcídio a Bumlai, de Mantega a Dirceu, de Delúbio a Palocci.

Inadvertidamente ou não, a inconfidência nada mineira se deu na cidade em que o principal alvo da Omertà foi prefeito, onde o ex-ministro da fazenda antecipara o jeito petista de governar, projeto expansionista de poder que quase desandou após o bárbaro crime de Santo André.

O falastrão se deu ao luxo de mandar seus interlocutores lembrarem de suas palavras, quando vissem, na semana que entraria, a nova fase da Lava-jato nas ruas. O problema foi que todos lembraram, não só os interlocutores.

Graças à fiel e incansável militância petista, todo o mundo ocidental já sabe, e o oriental tem certeza, ou ao menos desconfia, de que nunca antes na história deste país houve um ex-presidente tão perseguido pela magnífica obra que legou aos pobres.

Acusado sem uma única prova pela elite branca e concursada, faz tempo que o maior líder popular de todos os tempos não tem um minuto de sossego. Pois ele terá pela frente 5 dias de absoluta tranquilidade.

Lula e seus colaboradores mais próximos contarão com 5 dias para descansar em Atibaia, 5 dias para organizar o asilo em uma embaixada companheira, 5 dias para acompanhar Jandira e Haddad, 5 dias sem acordar sobressaltado com a campainha, 5 dias em que a visão do japonês ligado ao todo-poderoso, que nada sabe e nada vê, voltará a ser a do Okamoto. Mas corra, pois a promoção do voto útil só vai até domingo!  

Please reload