Então é Natal...


Essa frase dá início a uma versão gravada pela cantora Simone de uma música de John Lennon. E é assim, com espírito natalino, que começamos a nos preparar para este mês de dezembro, sendo mais iguais, mais fraternos, mais solidários, mais caridosos, mais misericordiosos, pensamos mais no perdão, enfim, mais amorosos. E por que tudo isso? Porque refletimos mais sobre a mensagem de amor deixada pelo grande aniversariante do mês: Jesus Cristo. Só que, meus amigos, a mensagem do Mestre Galileu não deve se resumir somente a um mês, mas a todos os dias das nossas vidas. Há quem questione, por exemplo, a caridade feita individualmente, ou seja, a uma só pessoa. Dizem os que se julgam donos da verdade, que a caridade deve ser feita em bloco, a muitas pessoas, entidades etc., pois de nada adianta ajudar apenas um só que já está perdido em meio as trevas, excluido da sociedade, abandonado pelas ruas das grandes cidades. Muitos até confundem caridade com assistencialismo. Quanta falta de compreensão das palavras do Mestre. É só ver a Parábola do Bom Samaritano: “...Porquanto eu tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber, tive necessidade de teto e me hospedastes, estive nu e me vestistes, estive doente e me haveis visitado, estive preso e me fostes ver”. E então os justos lhe perguntarão: “Senhor, quando foi que nós te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos sem teto e te abrigamos, sem roupas e te vestimos, ou enfermo, ou no cárcere, e te fomos visitar”? E o Mestre lhes responderá: “Em verdade vos digo, todas as vezes que fizestes isso a UM destes meus irmãos mais humildes, foi a mim que fizestes”. Meus caros leitores, enquanto nós nãos sairmos do discurso e formos para a prática cristã preconizada pelo Cristo, não estaremos vivenciando o verdadeiro Evangelho deixado por ele, palavras verdadeiras para que possamos chegar algum dia à verdadeira luz! “Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, isto é, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho”. E o que é a caridade senão o AMOR em movimento? Bem-aventurados, disse ele, os humildes, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados os que têm o coração puro; bem-aventurados os que são brandos e pacíficos; bem-aventurados os que são misericordiosos; amai ao vosso próximo como a vós mesmos; perdoai as ofensas, se quereis ser perdoados. E por aí segue o discurso do Mestre. Eu costumo me lembrar cotidianamente do BIP, que é Benevolência para com todos, Indulgência e Perdão das Ofensas. É dificil pensar nisso todos os dias e em todos os momentos das nossas vidas? É claro que é, temos que fazer um exercício constante para que possamos tentar, pelo menos, utilizar essas ferramentas divinas. Mas alguém já disse que “administrar é ser repetitivo”. Portanto, sejamos repetitivos e tentemos seguir os ensinamentos do Mestre para que consigamos viver o verdadeiro cristianismo durante todos os dias e não só na época do Natal. Infelizmente, agosto foi em novembro este ano.

Força Chapecó!!!