Tudo na mais perfeita desordem

 

Em defesa de que valores movem-se os políticos?

À espera da extrema-unção nessa agonia pós-populista, o país político está à deriva como carro de escola de samba. As máscaras já caíram, as fantasias já caíram, as alegorias já caíram, faltam cair a hipocrisia e a desfaçatez. E aí ficaremos os foliões com cara de palhaço.

O baralho já foi trocado, mas o futuro segue desenhado pelas idéias do passado. O atraso foi rebatizado de “reformas” propostas por líderes do retrovisor e agora rejeitadas pelos que se escondem no biombo “de não poder votar contra as bases”.

A imaginação política é igual a zero.

Desemprego, déficits, recessão, não há razão para qualquer esperança. A inflação vai sendo domada pela escassa circulação de dinheiro. Exceto sobre a natureza e essência dos juros altos, não há discussões sobre a nevrose brasileira, não há formulações novas, a nova intelectualidade é estranha ao jogo: é tudo no vamos-que-vamos, em nome não se sabe de quê. O debate é raso e periférico. Não se consegue ver sinceridade em nenhum propósito, nem mesmo na apressada mudança do despacho aéreo de malas.

E, assim, perdido entre mesóclises, o governo fica no vai-e-vem. Já está clara a fratura na base; o apoio voltou ao toma-lá-dá-cá. E as divergências não são de valores ideológicos; a traição é sentimento comum. O montante revelado nas delações revela que no parte-reparte das propinas muita grana ficou em caixas perdidas pelo caminho: assaltar o banco é fácil, difícil é rapartir a bufunfa. Quais bancos acolheram essas fortunas? Quantos produtores de programas de propaganda “gratuita” de rádio e televisão se meteram nessa esparrela? Quanto dinheiro comprou “opiniões” e apoios?

Acuado pelas delações, o governo, que tinha a negociação como arte, é refém de chantagens prisionais. Reformista como Jango, indeciso como Jânio, esclerótico como Delfim Moreira, enfrenta uma crise econômica como a de Washington Luís.

As delações e o racha no núcleo duro da quadrilha estão a ameaçar a política velha. Tomar o poder é simples; difícil é mantê-lo. E nenhum protagonista da velha política quer dar lugar aos oportunistas que virão. Na mesa do jogo político, à véspera da lista do fim do mundo, o baralho poderá ter sido trocado, as cartas podem estar muito bem embaralhadas, mas os jogadores não querem se afastar da mesa em nome da arte da politicagem.

Voltamos à velha ordem da proteção dos milicianos do poder, do salve-se quem puder na luta do poder pelo poder. Só falta pedirem o retrato do velho de volta, antes que algum aventureiro desfralde a nova bandeira da salvação nacional.

Please reload