O bode bilionário


40 anos depois da estreia de O homem de 6 milhões de dólares, série americana que desembarcou por aqui no fim dos anos 1970, o Brasil mostra que está no páreo em termos de inovação. Se o nosso prodígio não trata de tecnologia biomédica aplicada à ficção científica, já então capaz de transformar um ex-astronauta desenganado após um desastre de avião em um homem dotado de superpoderes, nossos congressistas, conhecidos por seus reais ganhos estratosféricos, os maiores do planeta, inflacionaram o mercado. Nossos deputados e senadores foram, talvez, influenciados pelas cifras da transferência de Neymar para a Cidade Luz, uma bagatela diante do que desperdiçaram o poste de Lula e seu companheiro de chapa.

Em vez dos tradicionais ratinhos de laboratório, macacos ou cachorros, suas excelências mandaram um bode biônico para o espaço como balão de ensaio, revolucionando a bioveterinária. Sim, pois conforme a reportagem de hoje estampada no Globo sobre a necessária reforma política, consta a informação de que nossos parlamentares, com pressa para que as regras possam valer nas eleições de 2018, já pensam em alocar R$ 6 bilhões para financiar o pleito, em vez dos já absurdos R$ 3,5 bilhões, até aqui anunciados e arduamente combatidos.

Esse aparente escárnio diante da maior crise da história republicana, problema típico com que o nosso legislativo costuma se deparar entre um impeachment e outro, deve ser resolvido mediante cirúrgica intervenção caprina, cuja urgência apresenta-se devidamente caracterizada pela exigência que estabelece o período mínimo de 1 ano para a definição das regras eleitorais.

Destarte, entendo que a multibilionária diferença orçamentária, de fazer corar o personagem Steve Austin, ainda que por meio de coloração artificial, constitui o mais elaborado bode espacial de que se tem notícia, resultado de ampla concertação entre governo e oposição, enfim irmanados no sentido de tirar o couro da população para celebrarem o almejado #foraTemer dentro do calendário institucional.

#eleições #reformapolítica